“Hoje, apenas hoje, procurarei viver pensando apenas no dia de hoje”, por Sofia e Pedro Fragoso

Quando nos foi pedido para escrevermos um comentário sobre os dias 27 e 28 de Abril desta peregrinação, ficámos com medo de não estarmos à altura deste desafio, mas aqui fica o nosso testemunho sobre estes dias tão especiais nas nossas vidas.

Dia 27, dia da Canonização dos Papas João XXIII e João Paulo II

“Hoje, apenas hoje, adaptar-me-ei às circunstâncias sem pretender que sejam todas as circunstâncias a adaptarem-se aos meus desejos.”

Eram 6h30m já estávamos prontos para este grande dia: começámos por atravessar pelo portão estreito que o Sr. Manuel passou com a sua grande perícia, apesar do sofrimento que lhe ia na alma, mas que com a sua grandeza de filho de Deus passou, sem darmos por isso; obrigado Sr. Manuel.
Chegados a Roma era preciso andar rápido para podermos chegar antes de começar a missa, mas tudo se complicou porque todos os caminhos para o Vaticano estavam fechados, foi necessário ficarmos mais longe do que estava previsto, percorremos a zona do Circo Máximo como cavalos de corrida como os que correram neste circo, passámos o rio Tibre e seguimos junto a ele. Chegados à nossa foz fomos engolidos por uma onda vermelha e branca que entrava furiosamente pelas portas da Fé dos nossos queridos Santos João XXIII e João Paulo II.
Aí tivemos de nos separar para podermos estar mais perto de São Pedro, os nossos heróis Sr. Guilherme e Dona Piedade ficaram junto ao rio, onde puderam viver este forte momento acompanhados pela sua incansável filha Carla, de uma entrega total àqueles que ama.
O resto do grupo dividiu-se em dois, uns lutaram contra o mar, outros optaram e foram para outros lugares onde pudessem assistir às canonizações.
Nós fomos daqueles que optamos por viver estas cerimônias na Piazza Navona, primeiro numa televisão num restaurante, mas depois não resistimos a estar mais perto da nossa querida Igreja e fomos para o meio dos nossos irmãos Polacos que nos deram o nosso Papa João Paulo II.
Para nós este foi um momento muito especial, podermo-nos sentir verdadeiramente em comunhão com a Igreja Universal. Como foi bom podermos sentir a presença de Jesus no meio de nós mesmo em Polaco ou Latim. O momento mais forte foi o da consagração quando em profundo silêncio toda a praça se ajoelhou.
Quando terminou a missa pudemos partilhar as nossas experiências de fé uns com outros, e almoçar.
Queremos agradecer ao São Pedro que adiou as limpezas no céu só para a tarde.
Quando nos voltámos a encontrar soubemos que as Manas e os Senhores Noites tinham visto o Papa a passar no fim da missa.

Já com a barriga cheia seguimos o nosso programa. A chuva caiu sobre nós como se fosse o Espírito Santo. Antes de regressar à Quinta, ainda pudemos visitar a igreja de Santa Maria Della Vittoria, onde pudemos apreciar a representação do êxtase de Santa Teresa.

“Hoje, apenas hoje, farei ao menos uma coisa que me custa fazer; e se me sentir ofendido nos meus sentimentos , procurarei que ninguém o saiba.”

Dia 28: os Papas da Idade Média (tudo boa gente)

“De modo especial não terei medo de apreciar o que é belo e de crer na bondade.”

Depois de tudo pronto, lá partimos em direção a Roma. Neste dia não havia encontro com o Papa mas estávamos de coração aberto.

“Non abbiate paura! Aperte prima, anzi spalancate le porte a Cristo!”

A primeira visita foi à Basílica de S. Clemente, neste local pudemos ver como as celebrações eram feitas em dois altares diferentes, um para a Palavra e outro para o partir do Pão. Visitámos a igreja subterrânea e o templo ao deus Mitra.
Continuando os caminhos dos Papas, fomos a S. João Latrão, Basílica majestosa.

“Ajudai o Papa e todos aqueles que querem servir Cristo e, com o poder de Cristo desejam servir o homem e a humanidade inteira”

Passámos por San Stefano Rotondo, com uma arquitetura tão simples e tão acolhedora em contraste com os frescos das paredes. Vimos também Santa Maria em Dominica, onde estava reunida a comunidade Irlandesa.
E lá fomos visitar o Papa Paulo V a Santa Maria Maior. À porta estava o Padre Fernando António, que nos explicou toda a Basílica (brilhante apresentação).
Mesmo ao lado tínhamos a Igreja de Santa Prassede, onde pudemos contar com mais uma explicação (muito acima da média). (“NÃO FLACHE”). Obrigado Padre Fernando.
Para fechar este dia com chave de ouro, e depois de um belo gelado, tivemos missa de rito oriental na casa dos Jesuítas.
Já no turismo rural,  prontos para mais um bom jantar, vamos percebendo que estamos rodeados de santos.
“Ser santo é praticar o amor oblativo a cada momento; é colocarmo-nos no segundo lugar da fila, e não no primeiro é suprimir o desejo de fazer grande alarde das nossas coisas, é desistir daquilo pelo qual as pessoas nos poderiam louvar, e alimentar a chama do amor a Deus.”
Obrigado aos nossos colegas de mesa por naquele jantar nos terem mostrado um bocadinho do céu.

Queríamos agradecer a todos por nos terem acolhido tão bem.

O nosso obrigado ao P. António Júlio (Tóju para os amigos) por ter conduzido tão bem este rebanho como Pedro. Os textos muito bons, as suas explicações fantásticas, meditações brilhantes, um verdadeiro Padre.
Mas tudo foi possível porque fomos guiados pela filha de Zeus, Helena de Tróia. Mais uma vez obrigado Leninha por quem é, já sabe conte sempre connosco.

Despedimo-nos com o Padre Pedro Arrupe,
“Tão próximo de nós
não tinha estado o Senhor,
talvez nunca;
uma vez que nunca tínhamos estado
tão inseguros”.

Um grande beijinho e abraços
Sofia e Pedro

Advertisements
“Hoje, apenas hoje, procurarei viver pensando apenas no dia de hoje”, por Sofia e Pedro Fragoso

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s