“E tu, quem dizes que Eu sou?”, por Magda Matos

Depois do primeiro pequeno-almoço “en familia” em Nazareth, saímos rumo a Cesareia de Filipe. Esta Cesareia – porque há várias – tem a particularidade de ter sido “palco” da confissão messiânica de Pedro e ainda do episódio da mulher fenícia que toca o manto de Jesus e fica curada.

Após a breve introdução do nosso guia Fernando, o P. Miguel convidou-nos a rezar à volta da pergunta que Jesus dirigiu a Pedro: “E tu, quem dizes que Eu sou?”. Esta pergunta, pessoalmente, fez-me regressar ao título do livrinho por onde nos orientamos: Vademecum. Afinal com quem ando eu? Como vejo Aquele que eu digo querer seguir? Um meio para agradar aos outros? Uma certeza em que me apoio para que as coisas me corram de feição? Ou é o meu princípio e o meu fim, haja o que houver, mesmo com negações ao longo do percurso?

Porque rezámos junto a uma das nascentes do Rio Jordão, concluímos este momento com a renovação das promessas do Baptismo, aspergidos com a água do próprio rio. Pedi-Lhe que esta água me/ nos ajude a dissolver as maquilhagens que ocultam o eu mais profundo. Aquele eu que Deus criou e sonhou para vivermos em plenitude, apesar das nossas misérias.

Saímos rumo a Cafarnaum, onde visitámos a Casa de S. Pedro, local onde Jesus foi chamado a curar o servo do centurião e a sogra de Pedro. Aqui tomei consciência do privilégio que é estar a acrescentar imagens, cheiros e sons a locais descritos no Evangelho que – como tão bem foi sublinhado – não é uma peça jornalística. Para que conste, esta casa fica num local extraordinário, com uma vista incrível sobre o Mar da Galileia.

Como não quisemos “perder pitada”, desta vez almoçámos a especialidade do peixe (frito) do Mar da Galileia, que-afinal-não-é-do-Mar-da-Galileia-mas-que-cresceu-com-água-do-Mar-da-Galileia. Pormenores à parte, o mergulho em grupo neste mar foi o melhor aperitivo, tomado de “penalty”, tal era a temperatura da água. Saímos do mar ao som de um mote convidativo: “O peixe está na mesa!”. Envolvidos neste cenário, almoçámos como pessoas de Paz e de festa, como diria Santa Rafaela Maria.

A tarde foi inaugurada no Monte das Bem-Aventuranças, com uma Missa campal, numa paisagem deslumbrante. E que bom foi sentir o grupo cada vez mais “pequeno”, apesar do mesmo número de pessoas. Por outras palavras, sente-se uma proximidade crescente.

As bem-aventuranças são um puro convite à desinstalação: muito mais do que nos conformarmos ao rol de contrariedades da vida (pobreza, perseguição, …), somos interpelados a ser felizes nesse mesmo contexto, se O estamos a viver em nome d’Ele.

De coração cheio, partimos rumo ao Lago de Tiberíades. Tenho dificuldade em pôr por palavras a emoção de, com todo o grupo, estar ali, num barco a várias centenas de metros da terra, agitado pelas ondas a rezar a passagem de Jesus a caminhar sobre as águas.

Era ali que os discípulos estavam, era aquele vento que sentiam (porventura com maior intensidade) quando gritaram: É um fantasma!

“E eu? Como reajo perante o que me assusta? Em quem ponho a minha confiança? Em que(m) devo arriscar tudo?” foram as principais questões que nos agitaram sobre as ondas.

Regressámos ao hotel e, depois de um óptimo jantar cá fora, cujas beringelas e a boa companhia foram as protagonistas, rezámos em ação de graças por este dia.

Seguiu-se a oração do terço, onde rezámos os mistérios luminosos, centrados na vida pública de Jesus. Um sorriso surgia na expressão do P. António Júlio de cada vez que dizia o nome de uma cidade: tínhamos estado em quase todas e que diferença faz! O programa oficial terminou por aqui, na certeza de que amanhã há MAGIS!

Advertisements
“E tu, quem dizes que Eu sou?”, por Magda Matos

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s